segunda-feira, 28 de novembro de 2011

TALHER PRÓ-VI FSPA COBIJA

Caros e Caras, guerreiros e guerreiras da Panamazônia!No dia 24 de novembro as 4 da manhã eu e Jorjão (Jorge Gustavo Neves Ferreira) nos colocamos na estrada de carro rumo a Zofra COBIJA... tivemos sorte ao chegar na balsa de travessia do Rio Madeira no quilômetro 230 da BR 364 sentido Acre as 06:30, porque esta embora de saída nos aguardou evitando assim um atraso de uma hora... Como saimos bem cedo, evitamos o trânsito pesado de ônibus e caminhões de Porto Velho até o Canteiro de Obra da Usina de Jirau, trajeto este com grande índice de acidentes... No distrito de Extrema reabastecemos e seguimos viagem e após 150Km chegamos na Estrada do Pacífico, cujo trajeto em terra Peruanas tem provocado muitas violações de direitos das comunidades extrativistas e indígenas. Após mais 220Km chegamos na região de fronteira onde as cidades de Brasiléia e Epitaciolândia nos receberam e nos indicaram o caminho rumo a popular COBIJA, isso por volta do meio dia. Procuramos um lugar para almoçar e seguimos ao hotel Montero para deixar as bagagens, tomar banho e se ir pra reunião na sede da CIPOAP - Central Indigena de Pueblos Originários de la Amazônia de Pando. Como ainda não tinha quarto liberado para nós, a senhora simpática que nos atendeu nos ofereceu um local para banhar-se. Em seguida Dóris (coordenadora do Comitê Local VI FSPA) chegou e juntos fomos a CIPOAP.




O reencontro com amigos e amigas desencadeou a troca de informações já que a presença se extendeu para além de participantes de COBIJA, assim como de comunidades próximas e lideranças de TRINIDAD. Os participantes foram:

1. Dóris Domingues - F.D.M.C.P - Bartolina Sisa/Bolivia;

2. Jorge G. N. Ferreira - IMV/RO/Brasil;

3. Iremar A. Ferreira - IMV/CI FSPA/Brasil;

4. Edgar A. Galindo - CIRABO - Trinidad/Bolivia;

5. Erlina B. Pérez - C.O.D - Cobija/Bol.;

6. Jorge Martinez - voluntário - Cobija/Bol.;

7. Raquel R. Chaves - voluntária - San Gaspar/Cobija/Bol.;

8. Darcy I. Zuaras - Balet Jovenes de Cobija/Bol.;

9. Aleida P. Soriá - CIPOAP/Cobija/Bol.;

10. Izaac Achipa Yona - CIPOAP/cobija/Bol.;

11. Juan M. Aguirre - F.S.U.T.C.P - ALAP/ Ladrilheros/Cobija/Bol.;

12. Abrahan V. Aro - CPILAP - Conselho Tacana/Trinidad/Bol.;

13. Juan Fernando Reis - HERENCIA/Cobija/Bol.;

14. Lorena - Comunicadores Socias HERENCIA/Cobija/Bol.;

15. Pâmela - HERENCIA/Cobija/Bol.;

16. Barbara Navidad - CIMAP - Cobija/bol.;

17. Roxana Cuejas - advogada Social/Cobija/Bol.;

18. Alfonso M. Cabro - ALAP - Cobija/Bol.;

19. Melva Hurtado Añez - CMIB - Trinidad/Bol.;

Antes de iniciar os trabalhos atendemos a imprensa local convidada para cobrir a reunião, sendo entrevistados Dóris pelo Comitê Local e Iremar pelo CI FSPA, cuja tônica das perguntas eram: o que tem haver este evento com a Marcha Tipnis e o que o FSPA vai contribuir para as lutas locais, entre outras, o qual foi exibido no dia 25 em horário nobre na cidade de Cobija.

Com o início dos trabalhos foram feitos exclarecimentos dos procedimentos do FSPA, caminhos para a definição por Cobija para sediar o VI FSPA 2012.

Em seguida foi compartilhado uma análise de conjuntura do momento no Departamento de Pando, Beni e Governo Central, com destaque para a Marcha TIPNIS que marcou a defesa da nova Constituição do Estado Plurinacional da Bolívia, com direitos à Consulta Prévia e Informada no tocante à Carretera que tem sua origem em Costa Marques/RO e cujo trajeto corta parte do território TIPNIS, cujo interesse maior é dos exploradores de madeira, minério e novas áreas para plantação de soja no cerrado boliviano.

A Marcha mobilizou toda a sociedade boliviana fazendo o governo boliviano recuar no intento, estabelecendo novos diálogos, inclusive com os que querem a Carretera.

Foi percebido que o exemplo dos indígenas bolivianos contaminou positivamente outros povos na Panamazônia a exemplo da ocupação de canteiro de obras em Belo Monte e no Rio Aripuanã, outros no Peru, abrindo margem para uma constetação organizada ao modelo capitalista vigente excludente, apresentando ao longo deste processo a proposição da solidariedade, partilha, ou seja, o VIVIR BIÉN, que passa exclusivamente pela organização social em torno de objetivos coletivos.

O Brasil foi mencionado como propulsor deste modelo excludente, financiando "la plata" e agenciando empresas para construção de carreteras, hidroelétricas e hidrovia em terras bolivianas a exemplo do Complexo Madeira, ou seja, se ocupa de um papel imperialista.

Neste cenário todos afirmaram que o VI FSPA Cobija 2012 propiciará que o mundo conheça a real situação da Panamazônia, de modo particular nesta tríplice fronteiras, onde os grandes projetos do IIRSA se conectam e propiciam violações dos direitos sócio-ambientais dos povos e comunidades.

Com essas reflexões foram sugeridas temas que poderão alimentar a definição dos Eixos Temáticos sendo eles:

- VIVIR BIÉN - conceito que expressa a urgência de retomar e fortalecer os modos de vida harmônicos com a natureza, tendo o ser humano como parte integral do meio em que vive, com a Natureza - conjunto de vida, que dialoga com SOBERANIA ALIMENTAR;

- MARCHA TIPNIS - confrontamento ao modelo capitalista excludente, violador dos direitos fundamentais que coloca em cheque os tratados internacionais e nacionais - Convenção 169 da OIT; que apresenta um modo de vida a ser mantido, respeitado;

- TRÍPLICE FRONTEIRA E SEUS DESAFIOS - grandes projetos que se conectam (barragens, hidrovia, carreteras, gasodutos, expansão da soja e exploração de madeira e minério), e a economia verde que saqueia os recursos florestais das comunidades tradicionais;

Assim sendo, o VI FSPA deve ser um momento de construção de possibilidades à partir das experiências, retomada e novo jeito, novo modo e novo mundo possível. Que seja um momento de fortalecimento dos modos de produções, trocas de sementes e processos produtivos sem agressão à natureza.

À partir destas expectativas discutiu-se os procedimentos da elaboração e gestão do Projeto financeiro para sustentação do VI FSPA 2012, com base na organicidade do V FSPA de Santarém, bem como os grupos de trabalhos - GT´s, para os quais assim ficou previamente pensado e distribuído o trabalho durante o dia 25/11:

I. Grupo de Facilitação (GF) - entidades do local de realização do FSPA,responsáveis por coordenação geral, mobilização e articulação políticaPan-Amazônica;

- Federacion Sindical Única de Trabajadores Campesinos de Pando: Juan Mamani Aguirre;

- Federacion Departamental de Mujeres Campesinas de Pando “Bartolina Sisa”: Dóris Domingues;

- Centro de Investigación Y Promoción del Campesinato: Sarela Sejas/Massiel

- Interdisciplinaria para el Desarrollo Sostenible – HERENCIA: Fernando/Pamela

- Central Obrera Departamental: Erlina/Consuelo;

- CIPOAP: Durimar Mereles/Mario Duri

- CIMAP: Maria Ester;

- Associación de los Ladrilleros Artesanal Pando (ALAP): Alfonso /Abrahan

- Jorge Martiz (voluntário);

-Universidade de Pando até agosto estava acertado sua estrutura e houvecambio del reitoria;

-Grupo de Facilitacion vai fazer os contatos urgentes para redefinirla situacion, pero antecipadamente no se vê problemas;

II. GT Metodologia (mesas por eixos temáticos; talheres nos sub-eixos);

-composição del Comite Cobija e CI para el pre-FSPA;

- para el VI FSPA composicion emreunion del pre-FSPA (janeiro ou fevereiro?);

III. GT Comunicação e Cultura (rádio web, web tv, palco das culturas, teatro,cinema, informações turísticas);

-Iremar (IMV/CI FSPA);

-Lorena (Herência);

-Darcy (Velete Jovenes de la Amazonia)

IV. GT Infra e Logística - tinha os subgrupos:

1. GT transportes internos (coordenação, grupos sociais);

2. GT hospedagem;

3. GT logística dos eventos (plenárias e salas) e

4. GT alimentação (praça de alimentação, coordenação e serviços – baños/agua)

-Jorge - IMV;

-Abrahan – ALAP;

-Afonso – ALAP;

-Fernando – Herencia;

-Erlina B. Pérez - C. O. D.;

-Dóris Domingues - Coord. Comitê Local e Fed. Bartolina Sisa;

O resultado dos trabalhos dos dois grupos foram apresentados ao grupão e está em fase de elaboração de um pressupuesto (projeto) a ser enviado ao CI FSPA até final de dezembro com os custos identificados não passíveis de solução local...

O GT Infra foi até o espaço da Universidade de Pando - identificado como território do FSPA, que o mesmo possui infra para abrigar as oficinas, a grande assembléia, área para campi, praça de alimentação que ligando com o Parque Pinhata formará este grande território;

Algumas preocupações do GT Infra que após o pré-FSPA deve orientar os trabalhos do CI em Cobija e fronteira:

1. contactar autoridades de fronteira para ver a possibilidade de entrar ônibus até o território do FSPA por parte da alfândega e PF;

2. passagem de banheiros químicos entre outros;

O GT de Comunicação e Cultura identificou os pontos culturais que poderão ser utilizados para teatro, cinema e palco das culturas, bem como decidiu pela elaboração de um blog do Comitê local VI FSPA Cobija 2012 que postará atividades relacionadas ao processo mobilizatório das organizações e movimentos sociais rumo ao VI FSPA, para tanto basta que sejam enviadas à Lorena (Herencia) as fotos e informações básicas.

Na Avaliação da oficina algumas expressões resumem os trabalhos:

- "enriquecedor, grupo pequeno porém ativo - uma grande aliança" - Melva;

- "um grande momento para mostrar ao mundo nossa realidade e de grande responsabilidade para que muita gente participe" - Fernando;

- "grande aprendizado" - Erlina;

- "vamos informar nossas organizações e movimentos - vamos ter mais forças" - Edgar;

- "para mim uma grande experiência e precisamos somar mais gente ao nosso grupo" - Juan;

- "vamos levar informações para Beni e mobilizar mais gente na Federação de Mulheres da qual faço parte" - (...)

- "penso que o tema Câmbio Climático é nosso motor impulsionador e devemos buscar apoio no governo central para nosso evento que vai dialogar com este tema, para não ficarmos dependendo da cooperação internacional" - Abrahan;

- "minha bandeira de luta pelo FSPA levou à discordância do governador de Pando, mas continuo, superei e estou como organizadora de base..." - Dóris;

- "como faço parte da família boliviana por minha descendência avó materna, tenho este compromisso de contribuir com o processo de organização, também porque acredito na união dos povos da Panamazônia" - Jorjão;

- "agradeço a oportunidade de partilhar com vocês desafios e sonhos; este grupo pequeno e que cresce a cada dia fará parte da história desta região ao organizar este VI FSPA 2012 em Cobija... vamos manternos unidos, trabalhando juntos entidades e movimentos sociais por uma Panamazônia possível' - Iremar.

Compromissos:

- organizar o orçamentário do projeto até a próxima semana para devolver ao Comitê Local para que providencie as tomadas de preços, sendo que o mesmo será feito no Brasil com o que não for possível em Cobija e assim fechar a proposta/projeto final até fim de dezembro;

- confirmar com o Comitê Local a data exata do pré-VI FSPA para que a equipe se organize, para tanto o CI deve informar isso até 10 de dezembro 2011;


Atenciosamente,

--
Iremar Antonio Ferreira

Instituto Madeira Vivo - IMV

CI FSPA - IMV/FAOC

Um comentário:

Márcia Nunes Maciel disse...

parabéns amore! VAMOS EM FRENTE NA LUTA!